I. Os Líderes Ordenados Participam do Ministério e Autoridade de Jesus

  • Isaías 61,5-6 – Muitos séculos antes de Cristo vir ao mundo, Isaías foi inspirado a escrever Suas Palavras, profetizando sobre a autoridade que os Apóstolos receberiam Dele, tornando-os “sacerdotes do Senhor”, “ministros de Deus”. Deus prometeu a Davi que “revestiria de salvação os sacerdotes” do seu Ungido (Jesus) (Salmo 132[131],16). Isso significa que os sacerdotes têm autoridade no ministério de Jesus Sumo Sacerdote.
  • Lucas 4,16-21 – Jesus confirma isso, dizendo que a profecia que está em Isaías 61 se cumpriu em Sua Pessoa. Por tanto, as palavras que Isaías escreve no capítulo 61, são do próprio Cristo, dirigidas aos seus sacerdotes ministeriais.
  • Mateus 10,1; Marcos 3,14-15; 6,7.12-13; Lucas 9,1-2; 10,3.9 – Livremente, Jesus concede de Sua autoridade aos Seus Apóstolos, enviando-os para pregar o Reino de Deus, atuando com o Seu poder, curando os enfermos e expulsando os demônios.
  • Lucas 10,19 – Jesus concede este poder, não somente aos bispos, mas também aos presbíteros (também sacerdotes ordenados). Eles possuem autoridade de Jesus sobre o sobrenatural, o “poder para pisar serpentes, escorpiões e todo o poder do inimigo.”
  • Mateus 16,19; 18,18 – Aos Apóstolos é dada a autoridade de Cristo (é Jesus mesmo quem lhes confere essa autoridade e poder) para tomarem decisões com atos visíveis na terra e que serão ratificados no Céu. Deus eleva a humanidade em Cristo, exaltando os Seus escolhidos a serem líderes da Igreja e beneficiando-os com a autoridade e dom que eles precisam para trazer a conversão e salvação ao Seu povo. Sem uma autoridade central e elevada na Igreja, haveria caos e total confusão, sem unidade de fé e moral (como há no Protestantismo).
  • Compêndio do CIC (C.CIC), §109 – «No Reino, que autoridade Jesus confere a seus Apóstolos? – Jesus escolhe os Doze, futuras testemunhas da sua Ressurreição, e os faz partícipes da sua missão e da sua autoridade para ensinar, absolver os pecados, edificar e reger a Igreja. Nesse colégio, Pedro recebe "as chaves do Reino" (Mt 16,19) e ocupa o primeiro lugar, com a missão de guardar a fé na sua integridade e de confirmar os seus irmãos.»
  • Lucas 12,32; 22,29 – Assim como o Pai deu o reino ao Filho, o Filho deu o reino aos Seus Apóstolos. O Dom é transferido do Pai para o Filho, e do Filho para os Apóstolos. Este é o agrado do Pai.
  • Números 16,28 – A autoridade do Pai é transferida para Moisés. Moisés não fala e nem faz nada por ele mesmo; é Deus quem faz e fala através dele. Isso é uma real transferência de autoridade.
  • João 5,30 – Similarmente, Jesus – como Filho Homem – não faz nada por Si mesmo, mas faz e ensina sob a autoridade do Pai, que O enviou.
  • João 7,16-17; 12,49 – Jesus declara que Seus ensinamentos e as obras que realiza, não provêem de Si mesmo, mas de Deus Pai. Isso é uma verdadeira transferência de autoridade divina. Essa autoridade, Jesus transfere aos Seus Apóstolos.

  • João 8,28-29; 14,10 – Jesus diz que não faz nada por Sua própria autoridade, e que Deus está com Ele. Do mesmo modo, os Apóstolos não fazem nada por sua própria autoridade. A autoridade dos bispos vem de Deus, por Jesus Cristo, pela graça do Espírito Santo. Eles não “ligam e desligam” e nem ensinam por si mesmos, mas é Jesus quem ensina, “liga e desliga” por meio deles.
  • João 13,20 – Jesus diz, “Quem recebe aquele que Eu enviar, recebe a Mim.”. Quem recebe os Apóstolos, recebe o próprio Cristo. A palavra “apóstolo” significa “enviado”. Os bispos e presbíteros são operários da grande messe do Senhor (Mateus 9,37-38; 20,1; Lucas 10,2).
  • C.CIC, §328 – «Qual é o efeito da Ordenação presbiteral? - A unção do Espírito marca o presbítero comum com um caráter espiritual indelével, configura-o a Cristo sacerdote e o torna capaz de agir no Nome de Cristo Cabeça. Sendo cooperador da Ordem episcopal, ele é consagrado para pregar o Evangelho, para celebrar o culto divino, sobretudo a Eucaristia de que tira força o seu ministério, e para ser o pastor dos fiéis.»
  • João 16,12-15 – O Pai transfere Sua autoridade para Seu Filho, e o Filho transfere essa autoridade aos Apóstolos, pelo Espírito Santo Paráclito, o qual guiará os Apóstolos em toda a Verdade. Toda a autoridade vem de Deus Pai. O Filho recebe o que é do Pai e o Espírito Santo recebe o que é do Filho. Toda essa autoridade é dada aos bispos; eles não ensinam, ‘ligam e desligam’ por sua própria autoridade.
  • Mateus 28,18-20; Marcos 16,15-18; João 17,18; 20,21 – O Pai enviou o Filho e deu-lhe toda a autoridade no Céu e na Terra (glorificando-o após a ressurreição). O Filho envia os Apóstolos com Sua autoridade, do mesmo modo que foi enviado pelo Pai – Deus Todo-Poderoso. Os Apóstolos possuem a autoridade divina para ensinar as nações e fazer discípulos.
  • Atos 20,28 – Os Apóstolos são guardiões e pastores do rebanho que é confiado a cada um deles. Jesus é o Pastor e Guarda de nossas almas (I Pedro 2,25). Os Apóstolos, pela autoridade e poder recebidos (que provém do Pai ao Filho, do Filho aos Apóstolos, pelo Espírito Santo), participam do ministério e autoridade de Cristo.
  • II Coríntios 3,5-6 – Paulo diz que é Deus quem os fez aptos ministros da Nova Aliança. Isto se refere ao sacerdócio ministerial que Cristo lhes conferiu: “chamar-vos-ão sacerdotes do Senhor, de ministros de nosso Deus sereis qualificados.” (Isaías 61,6). Jesus é o autor da Nova e Eterna Aliança e, ao mesmo tempo, Ele mesmo é a Aliança entre Deus e os homens; mas Ele coloca administradores para levarem a graça da salvação desta Aliança Eterna ao redor do mundo.
  • Jeremias 23,1-8; Ezequiel 34,1-10; I Pedro 5,1-4 – Os pastores devem pastorear o rebanho de Cristo (o rebanho é confiado pelo Pai ao Filho, e o Filho confia o rebanho aos Seus Apóstolos). Os pastores serão cobrados no dia do juízo. Receberão a recompensa por terem sido bons pastores, ou o castigo por terem sido maus pastores. Eles são os operários da Messe do Senhor (Mateus 24,48-51; 7,23).


“Antigamente, as pessoas eram mais resignadas ao sofrimento e à cruz. Hoje, há a ilusão de conseguir vencer o sofrimento, a dor e a morte por meio da tecnologia... e queremos ser felizes aqui e agora. Mas, Jesus nunca prometeu a felicidade aqui, quem promete isso é o diabo.
Padre Paulo Ricardo ”

Hoje é Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017