IV: Obediência à Autoridade Apostólica

  • Atos 5,23 – O povo reconheceu a autoridade especial dos Apóstolos e os fieis não se atreviam a se auto-denominarem com tal autoridade e poder.
  • Atos 15,6.24; 16,4 – A autoridade de ensino é privilégio outorgado aos Apóstolos e seus sucessores. Esta autoridade de ensino deve ser trilhada até aos Apóstolos de Cristo, dos quais provém a autêntica sucessão apostólica; ou a autoridade não é sancionada por Cristo. Não sendo sucessor, não tem autoridade e poder de se auto-proclamar Igreja de Cristo e com autoridade sobre o povo.
  • C.CIC, §162 – «Onde subsiste a única Igreja de Cristo? - A única Igreja de Cristo, como sociedade constituída e organizada no mundo subsiste (subsistit in) na Igreja católica, governada pelo sucessor de Pedro e pelos bispos em comunhão com ele. Somente por meio dela se pode obter a plenitude dos meios de salvação, pois o Senhor confiou todos os bens da Nova Aliança ao único colégio apostólico, cujo chefe é Pedro.»
  • Atos 19,13-16 – A autoridade apostólica não poder ser tomada por si mesmo, sem ser ordenado por um bispo autêntico sucessor dos apóstolos, os quais receberam autoridade de Cristo. Não podem exercer o exorcismo oficialmente com a autoridade de Cristo, muito menos administrar os Sacramentos da Ordem, Eucaristia, Penitência e Extrema Unção. Esses “exorcismos” que os líderes protestantes fazem durante os cultos, não passam de shows de hipnotismo e puro teatro. Mas o que mais é intrigante é que alguns líderes protestantes dizem ter autoridade para expulsar demônios – outros não; outros dizem ter autoridade para ordenar “pastores” – outros se denominam pastores por si mesmos. De quem receberam essa “autoridade”? E nenhum deles se arrisca a dizer que tem autoridade para administrar os sacramentos da Penitência e Extrema Unção, perdoando pecados, muito menos celebrar o sacrifico de Cristo (a Missa).
  • Romanos 15,16 – Paulo diz ser um ministro de Cristo Jesus para os Gentios, no serviço sacerdotal do Evangelho de Deus, para que então a oferenda dos Gentios a Deus, possa ser aceitável. Isto se refere ao sacerdócio ministerial (sacerdotes ordenados) que é distinto do sacerdócio universal (leigos batizados). Observe que os Gentios são o “sacrifício” e Paulo faz a “oferenda”.
  • I Coríntios 5,3-5; 16,22; I Timóteo 1,20; Gálatas 1,8-9 – Estes versos mostram a autoridade dos anciãos para excomungar / anatematizar (“entregar a satanás”).

  • Mateus 18,17 – Esta autoridade é concedida por Cristo mesmo. Jesus manda os Apóstolos excomungarem os que não ouvem a Igreja e não se submetem a ela. Mas essa autoridade só existe para quem é sucessor dos Apóstolos e estando em comunhão com o sucessor de Pedro, o Papa.
  • Mateus 10,12-16; Marcos 6,11; Lucas 9,5; 10,5-6 – Os que não recebem os enviados de Jesus, terão um juízo mais rigoroso do que Sodoma e Gomorra. Mas, por que isso?

  • Mateus 10,40; Lucas 10,16 – Porque Jesus disse: “Quem vos ouve, a Mim ouve; e quem vos rejeita, a Mim rejeita”. Quando ouvimos os ensinamentos e ordens dos bispos, em comunhão com Pedro (o Papa), chefe dos bispos, ouvimos o próprio Jesus – Seus ensinamentos. E se não obedecermos à autoridade apostólica, estamos desobedecendo a Jesus Cristo. Os presbíteros (sacerdotes ordenados, sob autoridade dos bispos) também possuem a autoridade de Cristo para governarem sobre suas comunidades; quando eles pregam o Evangelho, exortam-nos ou nos prescrevem alguma ordem, em comunhão com os ensinamentos do Magistério vivo da Igreja (Pedro, o Papa, e os bispos em comunhão com ele), nós devemos-lhes obediência.
  • Tito 1,10-11 – Os insubmissos, charlatões e sedutores devem ser punidos e impedidos de pregar doutrinas pervertidas – as heresias. A Igreja sempre enfrentou os hereges, desde os Apóstolos, que espalham heresias perversas e contrárias à sã doutrina de Cristo. Nós devemos olhar para uma Igreja que tem um corpo doutrinal, isento de heresias e que não mudou o seu ensino sobre fé e moral durante 2.000 anos. Todos – protestantes ou não – devem reconhecer que somente a Igreja Católica se encaixa neste requisito.
  • II Coríntios 10,6 – Novamente, em referência aos ordenados com a autoridade apostólica, Paulo diz que eles estão prontos para punir todos os desobedientes. A Igreja tem a autoridade para excomungar os membros que a desobedecem obstinadamente, sem se retratarem e nem submeterem à sua autoridade apostólica – o Magistério.
  • C.CIC, §183 – «Qual é a tarefa do colégio dos bispos? – O colégio dos bispos, em comunhão com o papa e jamais sem ele, exerce também sobre a Igreja o supremo e pleno poder.»
  • II Coríntios 10,5 – E neste verso, Paulo diz: “Nós aniquilamos todo raciocínio e todo orgulho que se levanta contra o conhecimento de Deus, e cativamos todo pensamento e o reduzimos à obediência a Cristo.” Paulo está dizendo que a obediência à autoridade apostólica, é obediência a Cristo.
  • II Coríntios 5,20 – O glorioso Apóstolo diz que eles – os bispos – são “embaixadores” em Nome Cristo, e que é Deus mesmo que exorta por meio deles. Isto significa que os apóstolos e seus sucessores compartilham uma real participação na missão de Cristo.
  • II Coríntios 10,8 – Paulo reconhece a autoridade que o Senhor lhes deu (aos ordenados) sobre o rebanho, para a própria edificação da Igreja.
  • I Tessalonicenses 5,12-13 – Paulo suplica aos membros da Igreja para que respeitem àqueles que têm autoridade sobre eles e os amarem com singular caridade, em vista do cargo que exercem.
  • II Tessalonicenses 3,14 – Paulo diz que se alguém não obedecer ao que está ordenado nesta carta, é para deixarmos de ter familiaridade com ele. Isto é porque Paulo possui autoridade apostólica.
  • I Timóteo 5,17 – Os presbíteros (sacerdotes) que governam com autoridade sobre o povo de Deus, principalmente os que trabalham na pregação e ensino, devem ser honrados pelos membros da Igreja.
  • Tito 2,15 – Os sacerdotes (bispos e presbíteros) devem exortar e repreender com toda a autoridade. Eles não podem ser menosprezados.
  • Filêmon 1,8 – Paulo diz ter plena autoridade em Cristo para prescrever uma ordem a Onésimo.
  • Hebreus 13,17 – Os membros da Igreja devem ser submissos e obedecer aos líderes, pois, eles têm autoridade sobre suas almas, sendo responsáveis por elas.
  • I Pedro 2,18 – Pedro pede aos servos para que sejam submissos aos seus senhores com todo o respeito, não só aos bons, mas também aos maus. Isso (mais ainda) também deve ser seguido quanto aos líderes da Igreja, mesmo eles sendo maus.
  • I Pedro 5,2-3 – Pedro exorta aos bispos da Igreja a não abusarem da autoridade que possuem sobre o rebanho que lhes é confiado. Os bispos têm autoridade “sobre o rebanho de Deus”.
  • I Pedro 5,5-6 – Pedro pede aos jovens para que sejam submissos aos anciãos (líderes da Igreja), pois a mão de Deus se manifesta por meio deles. “Humilhai-vos, pois, debaixo da mão poderosa de Deus”.
  • C.CIC, §187 – «Como os bispos exercem a função de reger? - Cada bispo, como membro do colégio episcopal, tem colegialmente a solicitude por todas as igrejas particulares e por toda a Igreja junto com os outros bispos unidos ao papa. O bispo, a quem é confiada uma Igreja particular, governa-a com a autoridade do sagrado poder próprio, ordinário e imediato, exercido em nome de Cristo, bom Pastor, em comunhão com toda a Igreja e sob a guia do sucessor de Pedro.»
  • Atos 4,19-20 – Quando Pedro e João foram presos, ao serem ameaçados pelos chefes do povo e anciãos para não mais pregarem em Nome de Jesus, eles responderam: “Julgai-o vós mesmos se é justo diante de Deus, obedecermos a vós mais do que a Deus. Não podemos deixar de falar das coisas que temos visto e ouvido.” E com a segunda prisão dos Apóstolos, Pedro e seus companheiros responderam: “Importa obedecer antes a Deus do que aos homens.” Esses versos são usados freneticamente pelos protestantes, alegando que não devemos obediência à autoridade Apostólica, os líderes da Igreja de Cristo. Não tem coisa mais sem sentido do que esta, pois, como já vimos até aqui, obedecer a Igreja é obedecer ao próprio Cristo. São os protestantes é que obedecem a simples homens – e não a Deus – que fundam denominações uma após outra, ajustando mestres para si. Isso, porque não suportam mais a sã doutrina da salvação ensinada pela Igreja de Cristo (II Timóteo 4,3).
  • Atos 5,34-39 – Ainda mais, “Levantou-se, porém, um membro do Grande Conselho. Era Gamaliel, um fariseu, doutor da lei e respeitado por todo o povo.” Aconselhou aos chefes e aos magistrados do Grande Conselho o seguinte: “não vos metais com estes homens. Deixai-os! Se o seu projeto ou a sua obra provém de homens, por si mesmo se destruirá; mas se provier de Deus, não poderemos desfazê-la. Vós vos arriscaríeis a entrar em luta contra o próprio Deus.”. Este é um conselho prudentíssimo que os protestantes deveriam seguir para não entrarem em luta contra o próprio Deus, pois, sendo a Igreja Católica obra do Deus vivo, não foi e nem será destruída jamais, não verá o próprio fim, porque o reino do Senhor é eterno – como está muito bem predito: II Samuel 7,16.29; Daniel 2,44; 7,14; Lucas 1,33; Mateus 16,8; etc... Ao contrário do protestantismo que, por ser obra de homens, e ainda lutarem contra Deus (sendo inimigos mortais da Igreja de Cristo), todas as denominações protestantes são destruídas por si mesmo, sendo dividas e subdivididas, e assim por diante, num processo sem fim – como foi muito bem predito: Isaías 41,11-13; 49,17; 54,15; Jeremias 30,16; etc...
  • Deuteronômio 17,10-13 – Deus ordena ao Seu povo obedecer aos seus sacerdotes quando eles instruem nas questões relativas à lei. O Senhor alerta que aqueles que não obedecerem a Seus sacerdotes, devem morrer (ser excomungados).
  • Números 16,1-35 – Coré, Datã e Abiron incitaram uma rebelião “protestante” contra Moisés em uma tentativa para confundir a distinção entre o sacerdócio ministerial e o universal. Coré e todos os seus seguidores pereceram por isto. (Essa tentativa de cegar a distinção entre os sacerdotes e os leigos é ainda persuadida por dissidentes no dia de hoje, sem previsão para acabar é claro, pois eles mesmos não possuem autoridade ministerial de Cristo. Aliás, esses três rebeldes do Antigo Testamente até parecem uma pré-figuração do trio rebelde formado por Martinho Lutero, Calvino e Swinglio – os primeiros líderes da reforma protestante.)

“Quando os convido a ser santos, peço que não se conformem em ser de segunda linha,
mas que aspirem a um “horizonte maior. Não se conformem em ser medíocres.
Papa Bento XVI”

Hoje é Sábado, 18 de Novembro de 2017