III. Pedro tem as Chaves de Autoridade sobre o Reino na Terra, a Igreja

  • II Samuel 7,16; Salmo 89,3-4 [88,4-5]; I Crônicas 17,12-14 – Deus promete estabelecer o Reino de Jesus (Davi) para sempre na terra.
  • Mateus 1,1 – Mateus claramente estabelece esta ligação de Davi à Jesus. Jesus é o novo Rei da nova Casa de Davi, e o Rei irá designar um chefe administrador para governar sobre a casa até a Sua volta.
  • Lucas 1,32 – A anjo Gabriel anuncia à Maria que ao seu Filho (Jesus) seria dado o “trono de Seu pai Davi.”.
  • Mateus 16,19 – Jesus dá a Pedro as “Chaves do Reino dos Céus”. Enquanto a maioria dos Protestantes argumentam que o Reino dos Céus que Jesus estava falando é o eterno estado de glória (como se Pedro estivesse lá no Céu deixando as pessoas entrarem), o Reino dos Céus que Jesus está falando aqui se refere à Igreja na Terra. Usando o termo “chaves”, Jesus estava referindo Isaías 22 (que é o único lugar na Bíblia onde “chaves” é usado num contexto de um reino).
  • Isaias 22,22 – No antigo reino de Davi, quando reinava seu sucessor e filho, Salomão, este havia instituído um ofício de “prefeito do palácio”. Este ministro principal possuía autoridade sobre todos os chefes e anciãos.
  • Apocalipse 1,18; 3,7; 9,1; 20,1 – As “chaves” incontestáveis de Jesus representam autoridade. Mas usando a palavra “chaves,” Jesus dá a Pedro autoridade na Terra sobre o novo Reino de Davi, e isso não foi seriamente questionado por ninguém até a reforma Protestante 1.500 anos após o outorgamento de Pedro.
  • Mateus 16,19 – O que Pedro ligar ou desligar na Terra é ligado ou desligado no Céu / quando o Principal Ministro abre ao Rei, ninguém fecha. Essa autoridade “ligar e desligar” permite ao possuidor das chaves estabelecer decretos, ou regras de conduta para os membros do reino que ele serve. As “chaves” de Pedro se encaixam nas “portas” do Hades, o qual também representa autoridade pastoral sobre as almas.
  • Mateus 23,2-4 – A terminologia “ligar e desligar” usada por Jesus foi entendida pelo povo Judeu. Por exemplo, Jesus disse que os Fariseus “atam” fardos pesados. Pedro e os Apóstolos têm a nova autoridade de atar e desatar sobre o Reino da Nova Aliança, a Igreja.
  • CIC, §882 – «O Papa, Bispo de Roma e sucessor de São Pedro, "é o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade, quer dos Bispos, quer da multidão dos fiéis." "Com efeito, o Pontífice Romano, em virtude de seu múnus de Vigário de Cristo e de Pastor de toda a Igreja, possui na Igreja poder pleno, supremo e universal. E ele pode exercer sempre livremente este seu poder.»
  • Mateus 13,24-52 – Jesus, compara o Reino dos Céus às dez virgens, cinco delas eram tolas. De longe mostra que o Reino é a Igreja na Terra. Este Reino não se refere ao paraíso, porque não há tolos lá no Céu.
  • Marcos 4,26-32 – Novamente, o “Reino de Deus” é como a semente que cresce e se desenvolve. O Reino Celeste é eterno, então o Reino ao qual Pedro guarda as chaves de autoridade, é a Igreja militante.
  • Lucas 9,27 – Jesus diz que ali estavam quem não provariam a morte antes que eles vissem o “Reino de Deus”. Esse Reino refere-se ao Reino de Cristo na Terra, o qual Jesus estabeleceu por Sua morte e ressurreição na Terra.
  • Lucas 13,19-20 – Novamente, Jesus diz o Reino de Deus é como uma semente de mostarda que cresce até virar uma árvore. Isto refere-se à Igreja terreno a qual se desenvolve através dos tempos, de uma bolinha a uma árvore de hortaliça (não ao celestial estado de glória o qual é imutável e infinito).
  • Mateus 12,28; Marcos 1,15; Lucas 11,20; 17,21 – Estes versos fornecem mais exemplos do “Reino de Deus” como o reino na Terra, o qual está no nosso meio.
  • I Crônicas 28,5 – Salomão senta no trono do Reino do Senhor. Isso mostra que o “Reino de Deus” usualmente significa um reino na terra.
  • Mateus 17,24-25 – O coletor de impostos reconhece Pedro como o representante de seu Mestre (Jesus), abordando-o sobre Jesus ter de pagar o imposto ou não. Pedro é o Vigário de Cristo e têm a Sua autoridade.
  • Mateus 17,26[27] – Jesus mandou Pedro pescar um peixe que deveria ter um estartere na sua boca para pagar o imposto por ambos. Com isso, Jesus mostra que Pedro é o Seu representante na terra.
  • Lucas 12,42-44; Mateus 24,45-47 – Após Pedro questionar Jesus sobre a parábola, ele recebe uma resposta quase que enigmática de Jesus. O divino Mestre aponta para Pedro, que ele mesmo (Pedro) é o servo a quem Ele (Jesus) constituiu com Sua autoridade sobre toda a Sua Casa, a Igreja.
  • Lucas 22,31 – Jesus, após ter instituído os santíssimos sacramentos da Eucaristia e da Ordem, dirigiu algumas palavras a todos os Apóstolos e logo em seguida, dirigiu-se a Pedro sozinho, dizendo que satanás teria desejado a queda de Pedro, o desfalecimento de sua fé. Vemos assim que satanás sabe da importância de Pedro como o líder da Igreja, como representante de Cristo, e que com sua queda, toda a Igreja também haveria de cair, pois não haveria mais unidade.
  • Lucas 22,32 – Logo em seguida, é claro que também Jesus confirma a importância da liderança de Pedro sobre a Igreja, como Seu mais alto Vigário, dizendo que rogou por ele, para que a sua fé não desfaleça e então venha a confirmar os seus irmãos – toda a Igreja. É claro que a oração de Jesus é de eficácia imediata e permanente. O Papa não pode desfalecer e ensinar algum erro em questões de Fé e Moral.
  • Mateus 26,31-32 – Jesus, como o Pastor, após ser ferido na Santa Paixão, deveria ressurgir e continuar a apascentar o rebanho. Mas 50 dias após a Sua ressurreição, Jesus deveria subir ao Céu, o que O impediria de estar visivelmente como o Pastor e Cabeça visível da Igreja aqui na Terra.
  • João 21,15-17 – E por isso, Jesus aponta Pedro como o Seu substituto, para ser o supremo pastor de Seu rebanho. Pedro é revestido por Jesus de Sua autoridade, para governar sobre toda a Igreja e apascentar o rebanho.

  • Lucas 12,41-44 – Quando Pedro perguntou Jesus se a parábola do senhor e os servos vigilantes era dirigida somente a eles (os Apóstolos) ou para todo o povo, Jesus replicou a Pedro, apontando-o (a Pedro) como sendo o administrador chefe que o Senhor constituiu sobre os operários. É Pedro, o servo a quem o Senhor “confiou-lhe todos os seus bens.”
  • Marcos 13,34 – Aqui, novamente Jesus indica que delegou de Sua autoridade aos seus servos, e que colocou um porteiro (o Papa) sobre eles, a vigiar Sua volta. É Pedro quem está sobre a Casa de Deus até a segunda vinda de Jesus. Veja também Mateus 24,45-47. Estas parábolas indicam claramente que Jesus estabeleceu um líder sobre toda a Sua Igreja. Esse líder recebe de Jesus o poder para reger todas as nações com cetro de ferro, assim como Ele (Jesus) recebeu tal poder do Pai (Apocalipse 2,26-28).
  • Atos 15,7-12 – É Pedro quem resolve o primeiro assunto doutrinal da Igreja e todos ficam de acorde com o seu decreto. Vemos também a necessidade de ter um líder acima de todos os outros, para facilitar a unidade, pois, havia muitos anciãos (líderes da Igreja: bispos e/ou presbíteros) que ainda eram discordantes uns dos outros; uns a favor da circuncisão e outros não. O que aconteceria se não tivesse um líder acima de todos? Caos e divisões, e os próprios apóstolos estariam discordantes uns dos outros.
  • Atos 8,20-23 – Pedro lançou anátema em Simão (o ex-mágico) por ter oferecido dinheiro para ter o poder e autoridade que os Apóstolos tinham e exerciam. E ainda vemos que em resposta, este Simão (o ex-mágico) pediu a Pedro para rogar ao Senhor por ele; ou seja, para retirar o anátema. Pedro exerce sua autoridade “ligar e desligar” com as chaves que recebeu de Cristo, e Simão reconhece essa sua autoridade.

“Se este teu princípio for admitido a Cristandade se converterá num amontoado de seitas.
Erasmo De Roterdam a Lutero”

Hoje é Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017